Programação do Museu da Casa Brasileira em setembro

O Educativo do Museu da Casa Brasileira (MCB) propõe práticas que articulam o olhar, o fazer e o pensar. Pretende que os visitantes assumam o papel de investigadores, pesquisando os conteúdos que o museu oferece em uma perspectiva contemporânea. A ideia é criar desafios para que os participantes das atividades educativas levantem questões a partir de suas próprias experiências e descubram novos sentidos ao relacionar a visita ao MCB com suas vidas.A partir desse pressuposto, o MCB oferece oficinas de desenho, bordado e poesia voltadas para o público geral que convidam para uma nova relação com o espaço, seus afetos, as memórias pessoais e as compartilhadas.

 

13 e 27 de setembro, quartas-feiras, das 10h30 às 12h – As Palavras e as Casas

Nesta oficina, convidar as pessoas para partilhar suas histórias faz parte de um ritual. Ouvimos sobre comidas, cheiros, brincadeiras, lembranças de pessoas que já se foram, sonhos de lugares onde gostariam de morar. Uma escuta atenta e sensível para vozes singulares que se expressam no meio da multidão.

Diante relatos afetivos relacionados ao morar, a equipe de artistas-educadores do MCB vai elaborar transcrições poéticas com maquinas de escrever. Os textos, generosamente datilografados, poderão ser levados pelos participantes.

 

14 de setembro, quinta-feira, das 13h30 às 15h – Casa Bordada

Quer dar um ponto? Esta pergunta, que soa um tanto inusitada, é feita para todos que passam na calçada e param no ponto de ônibus em frente ao Museu da Casa Brasileira. As pessoas olham e demoram um pouco para entender… Bordar? Na rua?

A artista educadora Beth Ziani oferecerá ao público noções básicas de bordado e aplicação em tecido. As imagens de peças do acervo do MCB e de lembranças de objetos domésticos de uso cotidiano são a inspiração para começar o bordado.

 

19 de setembro, terça-feira, das 11h às 13h – A Casa Estampada
A artista Monica Schoenacker oferecerá ao público passante na calçada do MCB noções básicas de serigrafia, para que o participante possa estampar um pano de prato para levar para casa.

 

20 de setembro, quarta-feira, das 10h30 às 12h – Desenho sua casa

As pessoas que passam em frente ao museu são convidadas a mergulhar em suas memórias para relembrar uma casa que foi continente de suas histórias. É curioso que passamos nossas vidas habitando diferentes casas. De que maneira estas casas continuam habitando em nós?
Um artista é convidado a desenhar de ouvido a casa descrita. O que ocorre é uma conversa que se faz desafiadora tanto para o desenhista quanto para aquele que evoca a casa, pois ambos se colocam no lugar de quem passeia pelo espaço. O primeiro, para conhecê-la, o segundo, para reconhecê-la.

Marcos Gorgatti, artista educador do MCB, faz um desenho da casa do participante, a partir de uma descrição afetiva ou de uma fotografia. A imagem desenhada poderá ser levada para casa como uma recordação.

 

21 e 28 de setembro, quintas-feiras, das 10h30 às 12h – Que objeto é esse?

A oficina “Que objeto é esse?” acontece na calçada do MCB. Embaixo da árvore, em um círculo formado com cadeiras, as pessoas são convidadas a sentar e colocar um abafador de som nas orelhas. Recebem lápis, caneta, papel, acetato, isto é, materiais para desenhar. São propostas de desenho a partir da observação de objetos cotidianos, muitos deles relacionados às mostras em cartaz no museu ou com o acervo. São destinadas a quem quiser interromper o fluxo cotidiano para desenhar, enfim, ao público passante na calçada da Avenida Faria Lima.

Sob a orientação da artista Aline Van Langendonck, pessoas que passam na calçada em frente ao MCB serão convidadas à oficina de observação, focada em objetos domésticos de uso cotidiano.

 

30 de setembro, sábado, das 14h30 às 16h30 – Ofícios
Encontro com profissionais de diversas áreas ligadas à casa como pedreiro(a), encanador(a), pintor(a), porteiro(a), cozinheiro(a), cuidador(a), babá, empregado(a), doméstica, faxineiro(a), jardineiro(a), entre outros. Os ofícios e as narrativas de cada profissional servirão de ponto de partida para as oficinas com diversas linguagens.

 http://www.mcb.org.br/pt-BR/educativo/presente

SERVIÇO
Endereço: Avenida Brigadeiro Faria Lima, 2.705 – Jardim Paulistano – São Paulo
Telefone: (11) 3032-3727
www.mcb.org.br

Vagas de emprego para pessoas de mais de 50 anos

Lendo esta matéria da revista “Pequenas empresas, grandes negócios” me chamou a atenção primeiro é claro a brilhante ideia de oferecer uma plataforma para quem tem mais de 50 anos poder procurar emprego. Como se sabe muitos aposentados continuam a exercer uma atividade remunerada para complementar a aposentadoria ou sustentar a família.

A segunda coisa que me chamou a atenção foi o relato de Mórris que explica como teve a ideia:

“A ideia de tirar a Maturi Jobs do papel surgiu por um motivo pessoal: Mórris viu sua avó ser obrigada a se retirar do mercado de trabalho aos 80 anos após um acidente. “Ela adoeceu rapidamente depois que teve que parar de trabalhar. Eu vivi tudo isso de muito perto e ela se tornou minha grande inspiração”, diz o empreendedor.

Além de Dona Keila, outra motivação de Mórris foi sua experiência como voluntário em uma casa de repouso. “Vi que muitas pessoas param cedo de exercer atividades importantes. Comecei a pensar em algo que pudesse mudar isso”, afirma.”

Vemos então que o mundo dos idosos continua separado do dos jovens, e que poucos jovens e adultos têm a oportunidade de ter uma troca geracional como a experimentada por Mórris para que possam se sensibilizar e mudar sua maneira de enxergar o mundo e quem sabe ter ideias como estas que possam mudar a qualidade de sua própria velhice.

http://www.maturijobs.com/

http://revistapegn.globo.com/Startups/noticia/2017/03/jovem-cria-plataforma-com-vagas-de-emprego-para-pessoas-mais-velhas.html?utm_source=facebook&utm_medium=social&utm_campaign=compartilharMobile

Curso de informática para seniors

Estão abertas as inscrições para o curso de informática básico e avançado na Congregação Israelita Paulista.Os interessados podem obter mais informações pelo telefone 28086211 ou pelo e-mail: debora.sor@cip.org.br.

O curso é gratuito. É necessário pagar R$ 40,00 pela apostila. O único pré-requisito é ter computador ou note book.

mundo digital

Mensagem de final de ano

 

logo

 

Caros colegas,

Agradecemos a todos que acompanharam, apoiaram e divulgaram a Por Vir neste nosso terceiro ano. Graças a indicações de amigos e profissionais tivemos a oportunidade de ampliar a Por Vir e acompanhar idosos e famílias nos processos singulares de envelhecimento.

Além de nosso trabalho clínico, este ano também tivemos a  oportunidade de estabelecer novas parcerias como com a Home Care Guardiões de Vidas na qual participamos da seleção e treinamento de cuidadores.

Também nos aprofundamos no estudo da avaliação neuropsicológica de quadros de doenças neurodegenerativas assim como em divulgar nossos valores em relação a novas formas de se envelhecer por meio de publicações, palestras, congressos e facebook.

Convidamos a acompanhar o cotidiano de nossa prática no nosso site www.por-vir.com e no Facebook_ Por-vir  Cuidado Ampliado no envelhecimento.

Desejamos a todos um final de ano festivo e um novo ano de renovadas esperanças.
Abraços,

Cintia Honda
Katia Cherix
Luciana Mannrich

Experiência coloca jovens e idosos morando juntos

 

Numa iniciativa muito bem sucedida, a ONG Holandesa Humanitas Deventer colocou em contato jovens e idosos para trocas afetivas e do interesse de ambos.

Os jovens que precisam economizar em moradia podem ficar hospedados nos residenciais para a terceira idade desde que dediquem ao menos 30 horas mensais aos residentes. As atividades que desempenham podem ser acompanha-los às compras, dar aulas de informática ou apenas conversar.

A interação permite a troca de saberes e experiências e retira os idosos do isolamento.

Essa reportagem incrível da ONG Humanitas mostra imagens e relatos dessa experiência que deveria ser copiada por muitas instituições de longa permanência para idosos! http://www.humanitasdeventer.nl/images/humanitas/pdf/Humanitas.pdf

Curso de informática para a terceira idade

Com o intuito de ensinar, de maneira bastante prática, como usar Facebook, Skype, WhatsApp é  composto por 4 aulas de 2 horas de duração cada uma.

O curso acontece numa casa de chá com professor especializado e os idosos devem levar seus equipamentos como smartphone, tablet ou notebook.

2016-10-27-PHOTO-00002018

 

II Congresso de Gerontologia USP

Estão abertas as inscrições para o II Congresso de Gerontologia da USP. Com o tema: “Velhices: Temas Emergentes nos Contextos de Bem-Estar, Relações Sociais e Familiares”, o evento será sediado na EACH entre os dias 30 de novembro e 2 de dezembro.

Para os interessados em apresentar trabalhos durante o Congresso, as inscrições devem ser realizadas até o dia 23 de outubro através do e-mail: congressogerontologiausp@gmail.com.

1IMG_80131-563x353

Congresso Aging and Society

J16TalkingCircle

 

http://agingandsociety.com/

Em outubro de 2016 estive na conferência “Aging and society” em Norrkoping, Suécia. Apresentei um pôster sobre como nos países católicos (Brasil e Espanha) existe uma tradição de que os idosos sejam cuidados pela família. Já nos países laicos (Suíça e França) os idosos não esperam ser cuidados pela família, mas se responsabilizam por seus próprios cuidados, contando com a vasta gama de auxílios oferecidas pelo governo. Na conferência, pude encontrar pesquisadores do mundo inteiro que apresentaram trabalhos diversos. Descobri que no Japão assim como no Brasil, é esperado que as mulheres cuidem dos idosos havendo certa desresponsabilizarão do Estado. Na Tailândia, pesquisas mostram que meditação e nadar com golfinhos melhora a qualidade de vida. Uma pesquisadora inglesa apresentou um trabalho tocante sobre a relação das mulheres com a roupa e como a indústria da moda não leva em conta as necessidades das idosas. Um pesquisador do mesmo país trouxe testemunho de idosos homens que não têm filhos. Contou a história de um participante que pegou um bebé no colo pela primeira vez aos 70 anos e então compreendeu a intensidade do vínculo entre pais e filhos porem percebeu que não haveria mais tempo para ele ter esta experiência. Também aprendi sobre a situação precária dos idosos no Iran por conta da tradição dos pais sustentarem os filhos até uma idade avançada, assim como a precariedade do envelhecimento na Nigéria, país no qual o governo ofereça pouca proteções aos idosos.

A experiência de entrar em contato com histórias tão diversas, me fez refletir sobre a heterogeneidade do processo de envelhecimento. Apesar da diferença de modelos e iniciativas, em época de neoliberalismo e individualismo, continuo sentido que a Europa atingiu um equilíbrio entre políticas públicas, uso de tecnologia e possibilidade de circulação e relacionamento social difícil de não ser invejado. Precariedade na saúde, habitação, transporte e educação não podem promover qualidade de vida para ninguém muito menos para a população mais vulnerável dos idosos. Lutar por um melhor envelhecimento para minha geração, para mim, continua intimamente ligado com lutar por um modelo político-econômico que promova maior implicação do Estado e soluções coletivas para problemas que as vezes podem ser perversamente interpretados como individuais. Culpa e solidão não são intrínsecas ao processo de envelhecimento e sim consequências do modelo de sociedade que escolhemos seguir.

Agradeço especialmente á companhia de Larissa e Rosana do departamento de linguistica da Unicamp, foi um prazer conhecer vocês!

 

 

20161002_185802 20161006_155705 20161006_142906 20161006_091253

Semana do Idoso

Terminou hoje a semana do idoso. Inúmeras atividades foram oferecidas em diversos locais da cidade para marcar o dia internacional do idoso e a importância de se manter na pauta o debate sobre questões relacionadas ao envelhecimento da população. Das inúmeras atividades muito interessantes oferecidas pelos serviços que se dedicam à população idosa, duas nos pareceram dignas de nota, ambas oferecidas pelo CRI (Centro de Referência do Idoso) Norte. A primeira, uma oficina para ensinar os idosos a usarem a ferramenta WhatsApp, nos mostra o quanto os idosos têm interesse em se atualizar nas novas tecnologias. A segunda, chamada Biblioteca Viva: Histórias e Memórias de São Paulo, reforça o importante papel do idoso de testemunha de nossa história e valoriza sua memória e seu saber.

 

PROGRAMAÇÃO-semana-do-idoso-2016-A4-01-724x1024

Envelhecimento saudável

Em comemoração ao Dia Nacional do Idoso, 01 de outubro, a EMTU (Empresa Metropolitana de Transporte Urbano) se une ao Programa Integrado da Qualidade de Vida para um Envelhecimento com mais Saúde do INCOR e HC de São Paulo.  “Os passageiros terão a oportunidade de participar de oficinas sobre prevenção de quedas, alimentação saudável, cuidados com a medicação, além de contar com orientações sobre serviços de prevenção nas comunidades.

Acontece hoje, 30 de setembro, no Terminal Jabaquara, e vai até as 16 hs.

Para mais informações: http://www.emtu.sp.gov.br/emtu/imprensa/imprensa/institucional/usuarios-terao-estacoes-de-saude-no-terminal-metropolitano-jabaquara.fss